Juros nas execuções garantidas por depósito

23/11/2021

Por

As execuções garantidas por depósito do devedor estão em debate no Superior Tribunal de Justiça. A Ministra Nancy Andrighi afetou o Recurso Especial n.° 1.820.963-SP para revisar o Tema 677 que, em 2014, firmou a seguinte tese por meio da sistemática dos Recursos Repetitivos: “Na fase de execução, o depósito judicial do montante (integral ou parcial) da condenação extingue a obrigação do devedor, nos limites da quantia depositada.” [1]

O STJ determinou a suspensão, em todo o território nacional, dos recursos especiais e agravos em recurso especial envolvendo a mesma discussão do recurso afetado – se o depósito judicial no valor da obrigação libera o devedor do pagamento dos encargos de mora até o efetivo levantamento da quantia pelo credor.

Segurança jurídica e uniformização da jurisprudência motivaram a revisão do Tema 677

Os recursos julgados pela sistemática dos Recursos Repetitivos possuem a finalidade de firmar uma tese que será aplicada aos processos que discutam a mesma questão de direito. Segundo o STJ, o objetivo dessa sistemática é ‘concretizar os princípios da celeridade na tramitação de processos, da isonomia de tratamento às partes processuais e da segurança jurídica’. [2]

Foi visando a segurança jurídica e a uniformização da jurisprudência que a Ministra Nancy Andrighi propôs a revisão do Tema 677, após identificar divergência na aplicação da tese, nos casos em que o depósito judicial não implicou o imediato pagamento da obrigação, ou seja, o valor não foi levantado pelo credor.

Segundo a Ministra, quando firmada a tese do Tema 677, o foco foi a responsabilidade da instituição financeira pela remuneração da quantia depositada. Ela destacou que a Corte Especial do STJ não deliberou à época sobre os efeitos do depósito judicial em relação a mora do devedor, ‘isto é, não houve ponderação a respeito do efeito liberatório do devedor no tocante aos consectários de sua mora’.

A Ministra aponta que paralelamente ao Tema 677 – versando, frisa-se, sobre a extinção da obrigação do devedor nos limites do valor depositado judicialmente – consolidou-se no STJ o entendimento de que o depósito para garantia do juízo seria diferente de pagamento. O fundamento desse posicionamento seria o de que a satisfação da obrigação ocorre somente com a disponibilização do crédito ao credor.

Outra orientação relacionada ao Tema 677 foi firmada pelo STJ em 2016, no julgamento do REsp 1.475.859/RJ de relatoria do Ministro João Otávio de Noronha. A decisão se orientou no sentido de que o devedor não estaria liberado dos encargos da mora em decorrência da remuneração do depósito feita pela instituição financeira, pelo fato de o ordenamento jurídico brasileiro não reconhecer o depósito em garantia do juízo como modalidade de pagamento hábil a liberar o devedor, dando por satisfeita a obrigação.

O julgamento do recurso REsp 1.475.859/RJ resultou na orientação de que o devedor estaria sujeito aos encargos de mora até o efetivo levantamento da quantia depositada judicialmente pelo credor:

“o valor depositado judicialmente libera o devedor nos limites da quantia depositada, mas não o libera dos consectários próprios de sua obrigação, devendo-se, quando do efetivo pagamento ao credor, deduzir do montante calculado na forma do título judicial ou extrajudicial o valor depositado judicialmente e acrescido da correção monetária e juros pagos pela instituição financeira depositária”

Revisão do Tema 677 em sentido amplo

A proposta da Ministra Nancy Andrighi é a de que o Tema 677 seja revisto de forma ampla pela Corte Especial do STJ, para que se reafirme ou modifique sua tese, levando em consideração pontos que não foram ponderados à época da sua fixação, como a isenção do devedor pelos encargos de mora, em decorrência da remuneração do depósito judicial pela instituição financeira depositária.

O tema foi delimitado para revisão nos seguintes termos:

“[…] revisão da tese relativa ao Tema 677/STJ: definir se, na execução, o depósito judicial do valor da obrigação, com a consequente incidência de juros e correção monetária a cargo da instituição financeira depositária, isenta o devedor do pagamento dos encargos decorrentes da mora, previstos no título executivo judicial ou extrajudicial, independentemente da liberação da quantia ao credor”

Tema será revisto com a participação de amicus curiae

A FEBRABAN, entidade que representa as instituições bancárias, foi admitida no processo como amicus curiae. O seu argumento foi o de que a revisão do Tema 677 terá impacto sobre os bancos que, segundo a associação, são devedores, mas também credores de operações inadimplidas e que são cobradas judicialmente.

Ao admitir a entidade como “amiga da corte”, a Ministra Nancy Andrighi destacou que embora a matéria debatida no recurso afetado seja predominantemente processual, o ingresso de amicus curiae possibilitará ‘a ampliação do debate e, naturalmente, a legitimação democrática do entendimento a ser consolidado por esta Corte’.

A figura do amicus curie está prevista no artigo 138 do Código de Processo Civil [3] e o seu objetivo é o de colaborar com o Julgador, com o aprofundamento e ampliação do debate sobre determinada matéria, de modo que a decisão que resultar desse julgamento seja de tal modo qualificada, que atenda não apenas aos interesses das partes de um determinado processo, mas que possa ser aplicada a outros casos versando a mesma questão, isso em atenção ao princípio da segurança jurídica, que prima pela uniformidade e previsibilidade das decisões judiciais.

 

[1] https://processo.stj.jus.br/repetitivos/temas_repetitivos/pesquisa.jsp?novaConsulta=true&tipo_pesquisa=T&num_processo_classe=1348640

[2] https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Precedentes/informacoes-gerais/recursos-repetitivos

[3] Art. 138. O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação.

Compartilhe

Vistos, etc.

Newsletter do
Teixeira Fortes Advogados

Vistos, etc.

O boletim Vistos, etc. publica os artigos práticos escritos pelos advogados do Teixeira Fortes em suas áreas de atuação. Se desejar recebê-lo, por favor cadastre-se aqui.